A MELHOR COBERTURA DO CARNAVAL DE NITERÓI

Alegria Zona Norte - Sinopse 2015

GRES ALEGRIA DA ZONA NORTE

Carnaval: 2015

ENREDO
Baila Comigo: O swing do Brasil, na “Alegria” de dançar!

AUTOR
Dynho Fernandys

SINOPSE

Introdução

O que o corpo sente o movimento “dança”

Quem nunca se contorceu, mexeu os braços, os pés, e ate mesmo os mais tímidos, nunca sentiram uma energia movida pelo desejo de se movimentar, de contorcer seu corpo em diversas direções, sendo tocado pelo simples desejo de apreciar uma melodia que os tocasse. As delicadas pontas dos dedos ao sentirem a inebriante força do ritmo em contato com a matéria produzem a sensação de plenitude. Seria a busca da alma, pela liberdade, superação, amor, leveza, fé, raiva ou dor? Muitas seriam todas as sensações e sentimentos que poderiam definir as causas da transformação do ritmo em dança, e isso certamente seria visto como um emaranho de possibilidades, mas a única certeza exata que temos e que se dançamos, nos movimentamos e se movimentamos produzimos linhas, formas contrates e o que vale na dança é tudo, só não vale ficar parado, só não vale deixar de usar os pés. O importante é fazer do corpo sua janela das possibilidades. Quem dita o equilíbrio e sustenta as diversas formas, sobre tudo o que o ritmo pode oferecer irradiado em desenhos e envergaduras, buscando movimentos, sensações, através da quebra de limites em tudo o que a dança pode criar.
A dança sempre esteve ali como formação cultural, social e transcendental de um povo, sendo considerada uma das mais antigas artes de diversas civilizações, que dispensava qualquer material ou ferramenta. Tudo o que sempre ansiou foi o corpo, tudo o que ele poderia produzir em sua plena vitalidade.
As civilizações se miscigenaram em raças diversas que criaram novos povos, que assim bailaram em novas danças, em modernos ritmos, em movimentos harmoniosamente alterados. E assim também quis o destino que o nosso ainda pequenino menino chamado Brasil, aprendesse a diversificar sua arte de dançar, sendo assim, ele se “morenizou”, dançou todos os ritmos, e com o passar dos anos os “abrasileirou”, avistando danças novas com nossos lusitanos irmãos portugueses,, salpicando tudo que já havia conhecido as culturas de outros povos. Sendo assim outras formas foram criadas da raiz da terra mãe, onde o canto do índio aqui avistado ecoou misturado em batidas do tambor dos navios de negra cor, então baila comigo, pois na dança de todos os bailes, o Brasil mostra que a sinfonia dos ritmos e repleta de alegria nessa galante terra varonil, que ontem fora menino e hoje e um dos grandes expoentes na diversidade de dançar.

Primeiro Setor
O menino “Brasil”, ainda pequenino, engatinhava no traquejo de bailar.

É noite de lua cheia, o ritual vai começar, o menino Brasil, ainda puro e inocente viu na pequena civilização de sua gente, que índio e ainda dança pra saudar a natureza, sobre as forças dos espíritos da natureza, salve Deus Tupã, o primeiro Deus, para quem o ainda garoto aprendeu a dançar. Em louvação aos rituais de celebrações de amores, fertilizações e transgreções espirituais. O “bugre” dançava pra chuva, dançava pra lua, dançava para o sol e incansavelmente dançava no afã de se expressar através de cada passo que dava levantava do chão toda poeira que sua arte conseguia desenhar. Um dia viu brotar dos verdes mares os portugueses num bailar tão triunfal, que maravilhado com tal liberdade, se deixou seduzir pelas índias num dançado encantador, jogando em corpo a pureza revestida em saliências, se permitindo as suas danças festejar.
Porém os portugueses “redescobriram” esse menino “Brasil”, tão gigante em extensão mais ainda pequeno em conhecimento em expressão corporal. Mais seu padrinho “português” resolveu lhe ensinar como era o jeito lusitano de bailar, pois difundiram sua cultura e festejos as danças de sua terra mãe, como o minueto e a caninha verde, de uma corte garbosa, que desembarcando em uma terra ainda íngreme, que encantava e ao mesmo tempo não entendia como era possível tal galhardia na “desengonçada” dança pitoresca do lugar.
 Os lusitanos contribuíram também com a chegada as danças que nos vieram da República Portuguesa, prontinhas para o consumo, tais como a roda infantil, as danças dramáticas como o Reisado (Pastoris, a Nau Catarineta), que chegam a constituir autênticos autos..  
É aliás, lusitana de origem aquela que iria tornar-se a mais brasileira da danças dramáticas: o Bumba-meu-boi.

E nos porões de lá pra cá, no balanço do agitado mar o negro trouxe toda sua ginga, que vinha da fé, da alegria e mal sabia que em novas terras conheceria também o swing da dor. Foi no final dessa etapa que o menino Brasil se morenizou e viu que a ginga da cor poderia trazer muitas possibilidades de danças e formas de se movimentar. Trazendo a fé e força de seus orixás ensinando esta terra nova a bailar na batida dos atabaques em honra e axé, deu-se então o swing do candomblé e da umbanda (danças de terreiros).

Segundo Setor
O meu Brasil “morenizado” e revelou sua forma de dançar!

Seguindo o passo a passo, veio o passo a se modificar, rodava, saltava, planava e então o que era menino começa a engrenar, assim o faceiro Brasil já iniciava suas danças culturais, pois com o passar dos anos novos estilos e bailados começavam a fervilhar.
Nossa dança é paixão, é herança, é raiz, fez-se o bumba meu boi, lá em Paratins, forrozear na sanfona, é festa no arraia, dançou quadrilha em noite de São João, e então surge o colorido da emoção, sobrinhas que voam no ar, passos marcados, que nunca marcam a hora de parar, rodopios, saltos e malabarismos, se todos gritam chegou fevereiro, é Galo da Madrugada, é frevo, é frevo, é frevo...
Meu Brasil tem caxambu, afoxé, maracatu, maculelê e muitas danças no bailar do pé, se o meu Rio Grande é valente, tem força é do sul, com chimarrão o meu fandango é mais você. Carimbó de mulheres de laços e saias rodadas, vão no girar da alegria, um destilar de sonhos, arte e leveza.
Chegue mais e não se esqueça de dançar um ritmo arrochado, colado apertado, levantando a poeira do chão, se é xote não se engane, sabes bem que é do nordeste o pedacinho de chão, onde o Brasil dança com estilo e devoção, nas folias e “guerrilhas” de reis onde o colorido impera e o movimento do corpo multiplica a paixão pela arte da dança.

Terceiro Setor
Disseram que fiquei americanizado!

O tempo passou e o menino Brasil cresceu de todas as danças do mundo que ele um dia sonhou conhecer, valsou pela terra dos passos e a febre do rock, ele também se rendeu, com vestidos de bolinhas, jaquetas em couro de tal James Dean, dançava um ritmo frenético, onde a rebeldia era o lema dos que se julgavam modernos.

Disseram que bailei o tal de foxtrote e do bom maxixe, e das danças de salão elas foram apenas mais um, e logo no final de tudo o bom samba reinou, pois o meu Brasil só quer dançar se deixar apaixonar nos passos teus, do “semba” então se fez samba no meu carnaval, vem no requebrar da bateria, ousadia e sensualidade nas curvas perfeitas da obra de Deus, fazem de cada rebolado, um gingado perfeito que risca a pista com garra e arte.

Nos embalos de sábado à noite a discoteca era febre nos anos 70, todos nos passos da pista ditando a moda da dança desconexa, globos de vidro giravam no ar, o corpo agora encontrava seu caminho sozinho, o voo era livre, a dança permitia se permitir nos tempos da brilhantina.

 “Tá ahi” o Brasil dançou de tudo, pro mundo gostar dele e fez de tudo um pouco de sua dança também, só pro seu país ficar mais feliz, pois no final das contas essa terra também é uma América é quer apenas dançar, dançar, dançar...


Quarto Setor
Misturando e abrasileirando...

Cada vez misturando os estilos e passos o Brasil se tornava um “caldeirão” de compassos, bailados e traços que cada dança e movimento conseguia criar e no zum zum, da capoeira, nasceu o famoso embalo, atrás do trio só não vai que já morreu, então venha vamos dançar um bom axé, que o povo baiano canta com tanto fervor, se a “corda é do caranguejo” eu danço na “boca da garrafa” sim ordinária, com mãos para o alto e envergadura sensual, cheios de amor pra dar e vender.
Foi na sola da bota e na palma da mão, adaptando o estilo do interior, um sertanejo gostoso e cheio de romance eu também dancei, conheci o hip hop e os bailes funks desse meu Brasil varonil, que vieram de outros países, mas foi nas periferias que todo o ritmo e swing de quem fazia do seu passo uma forma de se fazer notado, era apenas uma pequena maneira de mostrar no passo a liberdade que o asfalto não os dava.
O baile não pode parar a pista já esta acesa, viva o meu Pará, tem tecnobrega, a vibe é boa, em led sinto a magia, chegou a hora de sacudir com toda certeza, e há quem queira outro ritmo conhecer, um ritmo que é quente e faz “bater forte o coração, que abraça, que roça, que esfrega e traz sedução”, vamos dançar lambada?
E assim o Brasil se tornou uma escola de ritmos, danças e de expressões, pois dançar não era apenas diversão, era e ainda é um mecanismo de busca de afirmação, expressão social e identidade, então venha vamos bailar, já tem luz e tempo de boemia e glamour pelo ar, a noite acesa a nós convidar, para uma boa gafieira, o malandro coloca em punho a elegância e conduz sua cabrocha que na pista incendeia.
E desta forma com vários contornos e traçados, o Brasil risca o chão de ponta a ponta, num bailado divinal convidando cada um a fazer parte dessa festa triunfal, então pegue sua melhor roupa, traga o seu par e venha, pois aqui absolutamente vale tudo, pode dançar homem com homem, mulher com mulher, coladinho ou separado, pés fincados ou na pontinha, só é proibido ficar parado, pois o rei mandou cair na folia, é carnaval, vamos dançar sem parar. Então, baila comigo?


Mocidade de Icaraí 2014 - Letra e áudio do samba


MOCIDADE INDEPENDENTE DE ICARAÍ
Carnaval 2014


Enredo "Um Grito Africano"

Áudio do samba:


Ficha técnica e letra do samba:

Independente do Boaçu 2014 - letra e áudio do samba

Independente do Boaçu 2014

enredo NO CORAÇÃO DA BOAÇU, MINHA PAIXÃO É A GRANDE RIO
carnavalesco Alexandre Barbosa
presidente: Edinho

Compositores: PAULO BECKHAM, MANOLO, LUK, JAIRO DO ROSÃO E THIAGO PERNETA

Letra e áudio do samba


DA BAIXADA PARA O MUNDO
UM LINDO SONHO QUE PERÁCIO ACREDITOU
DE VERDE, VERMELHO E BRANCO IMPONHO SOU GRANDE RIO, AMOR
DE CULTURA ME BANHAR, QUEM SOU EU NESTA CIDADE?
OH PÁTRIA MÃE GENTIL
BRASIL...
EU TÔ MALUCO DE FELICIDADE

MINHA BAIANA VAI GIRAR, VAI GIRAR
ESSA ESCOLA É MINHA VIDA                                                                 
A LUA VEM PRATEAR...OH LUAR!
A INDEPENDENTE DANDO UM SHOW NA AVENIDA

QUERO UM REINADO DE AMOR                                                                                  
SER UM HOMEM, NÃO ROBÔ
NA PELE SENTIR PRAZER
NA SUA BOCA ENLOUQUECER
BOTA CAMISINHA EU QUERO VER
A PASSARELA TREMEU...FERVEU A MAGIA NESTE CALDEIRÃO
O HOMEM PODE VOAR, SORRISOS VÃO LAGRIMAR
O QUE É MEU CONQUISTOU COM SUPERAÇÃO

UM GRANDE RIO DE PAIXÃO
TRANSBORDA DO MEU CORAÇÃO                                 
EU SOU BOAÇÚ QUE ALEGRIA
NA HOMENAGEM AOS BALUARTES DE CAXIAS

Unidos da Região Oceânica 2014 - Letra e áudio do samba

G.R.E.S. UNIDOS DA REGIÃO OCEÂNICA
CARNAVAL 2014

Ficha Técnica:
ENREDO: UM OCEANO DE FELICIDADE
PRESIDENTE: LEANDRO (NEGÃO)
CARNAVALESCO: MARCELO ALVES
VICE-PRESIDENTE: WAGNER TAVARES
COMPOSITORES: WAGNER DO VALE / FELIPE FILÓSOFO
INTÉRPRETE: WAGNER DO VALE


Samba:


Lá onde deságua a poesia
Surgiu a vida em harmonia
E aos Deuses encantou
Lá na imensidão do infinito
Onde o azul é tão bonito
O céu se apaixonou
Mãe água, guardiã da beleza
Tem na sua natureza
Espécies a revelar
Cenário multicor... esplendor
Além do horizonte quero te alcançar

Ô mariou ôôôô
O mar vai marear, me embalar
Sou marinheiro eu sou, sou marinheiro eu sou
Vou no balanço do mar


Histórias de pescador
Oferendas para te louvar
O canto da sereia é melodia para navegar
Nas profundezas...a riqueza
Na energia...a esperança
O ouro negro que seduz a humanidade
Um santuário de belezas e verdades


Um oceano de felicidade
Vai desaguar por toda cidade
E de verde e branco o povo se encanta
Chegou a Região Oceânica

União da Engenhoca - Samba 2014

G. R. E. S. UNIÃO DA ENGENHOCA
CARNAVAL 2014

Enredo: "FATUMBI E SEUS ORIXÁS!”. 
Presidente: Anderson Luiz “CANELA” 
Carnavalesco: Comissão de carnaval


Compositores: Edu Cigano/Eduardo Poeta/Chiquinho Inspiração/Chicão/Pedro BDS /Quinzinho
Intérprete: Edu CIGANO 


Confira letra e áudio do samba: 


PELAS MÃOS DE OLORUM
DIVINO PAI DA CRIAÇÃO
O HOMEM DE FÉ DESPERTOU, FOTOGRAFOU.
O CANDOMBLÉ SE FEZ SUA RAZÃO.
EXÚ... ABRE OS CAMINHOS, MENSAGEIRO É MOJUBÁ.
A COMUNICAÇÃO CONDUZ NOSSA EMOÇÃO, VEM NOS GUIAR.
A PAZ, SABEDORIA, MAIORES SÃO OS PODERES DE OXALÁ.

KAÔ KABECILIÊ XANGÔ!
ELE VIBRA NA PEDREIRA
PRO SEU FILHO ABENÇOAR
ORAIÊ IÊO MAMÃE OXUM!
BELA E FACEIRA HOJE VEM BAILAR

OGUM YÊ, GUERREIRO DE FÉ.
RAIZ, DA VALENTIA, SARAVÁ.
AS FOLHAS DE OSSAIN, OXÓSSI É CAÇADOR.
DONA DOS VENTOS EPARREI OYÁ
NAVEGUEI UM MAR DE AMOR
NAS ÁGUAS DA RAÍNHA IEMANJA
O ARCO-ÍRIS É OXUMARÊ
SALUBÁ NANÃ... ATOTÔ OBALUAIÊ
IBEJÍ... VEM BRINCAR, SOB A LUZ YORUBÁ.
O SAMBA PISA FORTE NO TERREIRO
E CANTA O RENASCIDO POR IFÁ

VAI ECOAR O TAMBOR
DEIXA O XIRÊ TE SEDUZIR
FIRMA O AXÉ DA UNIÃO
A ENGENHOCA É FATUMBI

Experimenta da Ilha - Samba 2014

GRES EXPERIMENTA DA ILHA DA CONCEIÇÃO - Carnaval 2014

Enredo: PAIXÃO DA NAÇÃO
Compositores :Waldeir Melodia , Manolo , Bira do Canto , Gerê da Ilha , Tatalho e Ruan Pontes

VAMOS FALAR DE FUTEBOL
UMA PAIXÃO NACIONAL
QUE O INGLÊS INVENTOU
CHARLES MILLER O CRIADOR
E O MUNDO INTEIRO CONSAGROU
TEM CAMPEONATOS REGIONAIS
TORNEIOS TRADICIONAIS
SALVE O NOSSO BRASILEIRÃO
COM AMOR NO CORAÇÃO 
FAZ O POVO DELIRAR
NESTA FESTA POPULAR

NO PAÍS DO FUTEBOL
NA AVENIDA A BOLA VAI ROLAR
VEM JOGAR NO EXPERIMENTA 
UM GOL DE PLACA VOCÊ VAI MARCAR
É LINDO VER A REDE BALANÇAR


NA COPA DA FRANÇA
QUE DECEPÇÃO 
OLHA A ZEBRA AÍ
FOMOS VICE-CAMPEÕES
EM 70 A CONQUISTA DO TRI 
OH ! QUANTA EMOÇÃO
HOJE EU SOU PENTA CAMPEÃO

EU SOU EXPERIMENTA DA ILHA
NA CONCEIÇÃO EU VOU ME ACABAR 
PRA FRENTE BRASIL COM A BOLA NO PÉ
QUANDO A GALERA GRITA OLÉ.

Independente do Boaçu - Sinopse do Carnaval 2014



Introdução /História 
Nós da G.R.E.S. MOCIDADE INDEPENDENTE DO BOAÇU, do outro lado da “poça”, estamos extasiados! Homenagiar uma das Agremiações de maior destaque, que faz parte da historia do carnaval do Rio de Janeiro, do Brasil e do Mundo inteiro; fazendo sempre seu espetaculo a parte. E deleitar justamente com a nossa Madrinha, que é nossa referencia no mundo do samba, venerando e defendendo dignamente nossos Pavilhoes! Vamos vibrar Niterói, unir a voz e dar “moral”! É carnaval! Estamos felizes com este enredo para  2014; o que é bom esta por vir. Com o coração independente a sorrir! A tristeza esta por um fio..:

“NO CORAÇÃO DO BOAÇU! MINHA PAIXÃ O É A GRANDE RIO!”

GRÊMIO RECREATIVO ESCOLA DE SAMBA ACADÊMICOS DO GRANDE RIO, uma escola de samba do município de Duque de Caxias, que desfila no carnaval da cidade do Rio de Janeiro, e de forma justa compõe o Grupo de ELITE, chamado de Especial.
A escola é resultado da fusão, em 1988, do GRES GRANDE RIO e da ACADÊMICOS DE DUQUE DE CAXIAS.
Milton Abreu do Nascimento, conhecido como Milton Perácio, foi eleito o primeiro Presidente, e decidiu convidar Antonio Jayder Soares da Silva para ser o presidente de honra e o então deputado Messias Soares para ser o Patrono.
Na sua estreia, em 1989, a escola já subiu de grupo, com o enredo "O MITO SAGRADO DE IFÉ" passando para o Grupo de Acesso A.

Em 1990, com o ENREDO SOBRE A CIDADE DO RIO DE JANEIRO, a escola novamente obteve a 2ª posição, garantindo o direito de subir para o GRUPO ESPECIAL.

Em 1991, fez sua estreia no Grupo Especial com um enredo que falava da criação da vida, “ANTES DURANTE E DEPOIS DO DESPERTAR DO HOMEM!”, dos conflitos humanos e terminava com uma mensagem de paz e otimismo. O lema da escola era: “REJEITAMOS O CAOS, TEMOS LIVRE ARBÍTRIO E QUEREMOS BRINDAR A VIDA”.

Em 1992, reconquistou o direito de competir no Grupo Especial, sendo a CAMPEÃ DO ACESSO, com o enredo "ÁGUAS CLARAS PARA UM REI NEGRO".

Na volta ao Especial, em 1993, parecia que estava "NO MUNDO DA LUA”. Um lindo carnaval!
Em 1994,  contou a história da umbanda pela visão de ZÉ PELINTRA “ OS SANTOS QUE A AFRICA NAO VIU!”, que veio representado na comissão de frente. A escola obteve o estandarte de ouro de melhor enredo.

Em 1995,  transformou o ciclo da borracha na Amazônia em conto de fadas; “ HISTORIA PARA NINAR UM POVO PATRIOTA!”.

Em 1996, teve o desfile prejudicado pelo atraso do barracão. O enredo “NA ERA DOS FELIPES O BRASIL ERA ESPANHOL!”

Em 1997, apresentou um samba sobre a construção dos 300 quilômetros da Ferrovia Madeira-Mamoré, em Rondônia. “MADEIRA MAMORÉ A VOLTA DOS QUE NAO FORAM, LÁ NO GUAPORÉ!”.

Em 1998, veio com um samba muito popular e marcou presença principalmente pelo seu tema, um dos mais politizados deste ano: o centenário de nascimento de Luiz Carlos Prestes. “PRESTES CAVALEIRO DA ESPERANÇA!”. Com esse desfile, a Grande Rio começou a despontar como escola popular e dos artistas globais.

Em 1999, Assis Chateaubriand, o grande nome da mídia no Brasil no meio do século, foi o enredo da escola, “EI EI EI CHATEAU É NOSSO REI!”.

Em 2000, apesar da empolgação e da beleza das fantasias, teve problemas para mostrar o seu carnaval contrariando alguns pontos no regulamento altura de alegorias que atrasou a entrada do desfile. No enredo “CARNAVAL A VISTA!”.

Em 2001, “GENTILEZA “X” O PROFETA DO FOGO!”. A estreia de Joaozinho 30.
Em 2002, o sucesso do ano anterior foi tanto que o norte-americano Eric Scott voltou a sobrevoar a Grande Rio como papagaio voador. “OS PAPAGAIOS AMARELOS NAS TERRAS ENCANTADAS DO MARANHÃO!”
.
Em 2003, a grande surpresa do carnaval foi o terceiro lugar obtido, que pela primeira vez voltou no sábado das campeãs. “O NOSSO BRASIL QUE VALE!”

No carnaval de 2004, por decisão judicial, a escola teve dois carros censurados, que passaram na avenida cobertos. Enredo “VAMOS VESTIR A CAMISINHA MEU AMOR!”
Em 2005, Volta a fazer um bom desfile, com o enredo "ALIMENTAR O CORPO E ALMA FAZ BEM". Contando com o patrocínio da Nestlé, alegorias bem trabalhadas, um desfile alegre, grande desempenho da bateria e conquista, assim o terceiro lugar.

No carnaval de 2006, “AMAZONAS, O ELDORADO É AQUI!” contando a história de exploração na Amazônia, veio a conquista o seu melhor resultado: o vice-campeonato, pois perdeu dois décimos por exceder o tempo máximo de desfile em 1 minuto (após o empate em número de pontos, a Vila Isabel, venceu por ter melhores notas no quesito de desempate).

Em 2007, homenageou a sua cidade, Duque de Caxias, enredo “CAXIAS – CAMINHO DO PROGRESSO, UM RETRATO DO BRASIL!”. No Desfile o abre-alas da Grande Rio pegou fogo na dispersão.

2008: Animada após dois vice-campeonatos, a escola de Caxias veio com todo o gás para tentar o inédito campeonato. O enredo versava sobre a importância do gás em nosso dia a dia, homenageando a cidade de Coari, no Amazonas.”DO VERDE DE COARÍ VEM MEU GÁS, SAPUCAÍ!”.

Para o carnaval de 2009, com o enredo "VOILA, CAXIAS! PRA SEMPRE LIBERTÉ, EGALITÉ, FRATERNITÉ, MERCI BEAUCOUP, BRÉSIL! NÃO TEM DE QUÊ!", enredo assinado pelo carnavalesco Cahê Rodrigues a escola contou a história da França com seus costumes.

Em 2010 a escola trouxe o enredo "DAS ARQUIBANCADAS AO CAMAROTE NÚMERO 1, UM GRANDE RIO DE EMOÇÃO, NA APOTEOSE DO SEU CORAÇÃO", e fez um passeio pelos principais desfiles ocorridos nos 25 anos do Sambódromo. Os componentes foram fantasiados de gari e com bolsas que sacudiram o público presente. Repetiu a sua melhor colocação, pela terceira vez, ficando em 2º lugar.

Em 2011 a escola apresentou o enredo "Y-JURERÊ MIRIM - A ENCANTADORA ILHA DAS BRUXAS (UM CONTO DE CASCAES)", sobre a cidade de Florianópolis. no dia 7 de fevereiro do mesmo ano, um incêndio atingiu a Cidade do Samba. Três escolas de samba foram atingidas, sendo a Grande Rio a principal afetada. A Marquês de Sapucaí no ano de 2011 viu a verdadeira Superação de uma Escola que perdeu tudo, tudo mesmo no que se refere a sua história, mas passou a escrever uma nova história no dia 7 de março de 2011.

Em 2012, a escola retratou na Sapucaí o enredo: "EU ACREDITO EM VOCÊ, E VOCÊ?”, falando sobre a superação.

Em 2013, levou para avenida o enredo que fala sobre os royalties do petróleo, “AMO O RIO VOU A LUTA OURO NEGRO SEM DISPUTA!”.

E para 2014, a agremiação falará sobre a cidade de Maricá do agora carnavalesco Fábio Ricardo, além de ter o experiente diretor de carnaval Ricardo Fernandes. “VERDES OLHOS SOBRE O MAR NO CAMINHO: MARICÁ!”


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores

Visitantes

Serviços

  ©Template by Dicas Blogger.